Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Outubro 18, 2009

PELA JANELA DO TREM

Pela janela do trem uma senhora com idade avançada, que fazia moradia nas ruas desertas de uma estação. Deixava o pensamento às pistas de uma vida marcada por infelicidades.
A estação em que dormia, era um lugar frio de afeição. Quimera seria o destino daquela senhora, que vivera até certa idade dormindo no chão.
Dos rastros que deixou do olhar triste que cruzou o meu, e da curiosidade e muita  inquietação, soube que não poderia amenizar sua dor.
O que tinha herdado da vida aquela pobre senhora?  Era a mágoa incessante do roubo do seu único filho, uma doença mental, feridas, um bauzinho humilde, um cobertor e muito papelão. Não, dor de nunca poder ter o filho de volta.
Para não tirar a esperança que a movia. Não quiseram contar a ela que o único filho, no qual tinha esperança que um dia a encontrasse e a levasse para um aconchego de um lar, há tempos tirou a própria vida se jogando em frente a um trem que passava com carvão. Ali bem perto da estação sombria.
Estava sem rumo, sem perspec…