Pular para o conteúdo principal

Os bastidores da política revelam muita coisa, até um intervenção federal

O governo federal deu pistas de que poderia pedir uma intervenção de segurança pública no Rio de Janeiro, com a entrevista do ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun (PMDB), um dia antes do anúncio no qual abordou o tema de segurança pública. Sobre os questionamentos de que a reforma mais importante do governo Temer estava perdendo força, a da previdência, ao justificar que o governo não tinha desistido da reforma ele chegou a falar na criação de um “óbice jurídico para a continuação da tramitação, para a evolução da discussão e consequente aprovação da reforma”.

Na sexta-feira (16), quando o presidente Michel Temer decidiu pela intervenção federal, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, afirmou que quando o governo tivesse os votos necessários para aprovar a reforma, Temer revogaria o decreto de intervenção e entraria em vigor no Rio uma operação de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) ampliada. A votação foi ao plenário da Câmara dos Deputados, começando pontualmente ás 19 horas, como estava previsto com quórum necessário para abertura dos trabalhos, 257 parlamentares. Depois de mais de 6 horas de discussão, a Câmara dos confirmou, já na madrugada de terça-feira (20), a intervenção federal. O decreto assinado pelo presidente Michel Temer teve 340 votos favoráveis, 72 votos contrários e 1 abstenção. A relatora da proposta, deputada Laura Carneiro (PMDB-RJ), incluiu duas sugestões ao Poder Executivo em seu parecer. Ela pediu que o governo federal apresente recursos federais em caráter continuado, a serem usados na segurança pública e nas áreas de assistência social. 

O texto seguiu para o Senado Federal na forma do Projeto de Decreto Legislativo (PDC) 886/18. Por lá, 
o Plenário aprovou na terça-feira, dia (20), em regime de urgência, o PDS 4/2018 que referendou o Decreto 9.288/2018, da Presidência da República, determinando intervenção federal no setor de segurança do estado Carioca. A proposta foi aprovada com 55 votos favoráveis, 13 contrários e uma abstenção. Com a promulgação do presidente do Congresso Nacional, Eunício Oliveira. O relator da matéria, senador Eduardo Lopes (PRB-RJ), defendeu a intervenção e afirmou que a situação da segurança pública no Rio de Janeiro é muito grave, justificando a necessidade de uma ação mais efetiva do governo federal. A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), criticou a deixão. Para ela, não houve critério para a intervenção na segurança no Rio de Janeiro, uma vez que há estados com maior índice de criminalidade. 
A intervenção já está em vigor desde 16 de fevereiro com a publicação do decreto no Diário Oficial da União (DOU). O documento determina que a medida será mantida até 31 de dezembro deste ano.

A media atabalhoada pegou muitos parlamentares e até da base do governo de de surpresa. Agora, com o projeto da reforma da previdência fora do radar, o objetivo é voltar as pautas de segurança pública. Como foi anunciado na volta dos trabalhos no Congresso no último dia 5. E vale lembrar que o ritmo das votações já começa a ser afetado pela campanha para as eleições de outubro. Com o decreto de intervenção em vigor, Proposta de Emenda à Constituição (PEC) não podem ser votadas no Congresso. Como a da reforma da Previdência. Uma nova agenda se abre com o decreto da intervenção na segurança pública no Rio de Janeiro. E o que deve trabalhar o governo este ano. 

Com a pauta trancada pela intervenção, a retomada dos trabalhos no Congresso que dará destaque os temas ligados à segurança pública, será embalada também com o ritmo das votações afetadas pela campanha para as eleições de outubro.




Com: agência da Câmara e Senado Federal

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Semana curta em Brasília e poderes em atenção no STF e na Câmara que tentam colocar um ponto final em medidas cautelares para os demais

O olhos nesta semana curta em Brasília estão voltados para a Câmara dos Deputados que apresenta o parecer da denúncia contra o presidente Michel Temer e dos ministros, Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-geral da presidência), e o Supremo Tribunal Federal, que tem um grau de intensidade a analisar numa pauta de matéria penal sobre uma (ADI) Ação Direta de Inconstitucionalidade com pedido de medida cautelar, ajuizada pelos Partidos Progressista (PP), Social Cristão (PSC) e o Solidariedade (SD), com base dos arts. 312 e 319, caput, do Código de Processo Penal. 
De uma certa forma, os poderes no DF seguem com suas pautas, mas os resultados nas duas  casas,  ditam o rito de parlamentares e do próprio governo. Além do parecer na Câmara, para esta terça-feira (10), os deputados que tiveram sessões no plenário antecipadas devido ao feriado irão analisar entre os itens de pauta, o primeiro turno, de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que estabelece uma cota para…

Advogados de Lula entregam defesa prévia da ação do sítio de Atibaia alegando 'caráter político', falta de provas e pedido de 59 testemunhas que incluem Dilma e FHC

Os advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva entregaram nesta quarta-feira (24), na Justiça Federal, a defesa prévia sobre ação do sítio de Atibaia, alegando 'caráter político' e rejeição da denúncia  no pedido feito ao juiz Sérgio Moro. No documento de 75 páginas, eles disseram que denúncia que acusa o petista de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, seja rejeitada, negando que não é o dono do imóvel, alegando que não há provas ou indícios mínimos que respaldem a denúncia feita pelo Ministério Público Federal (MPF).

A defesa de Lula também criticou os moldes da denúncia, por se basear principalmente em delações premiadas. No documento protocolado os advogados também pediram que 59 testemunhas sejam intimadas, entre as dezenas de nomes, estão a do ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso e Dilma Roussef.

A defesa pediu ainda que se o juiz prosseguir com ação penal que seja aguardado o término do inquérito que tramita no STF, que apura se existiu uma organização cr…

Crise política brasileira embarca com Temer

Vem do agronegócio os principais produtos exportados para à Rússia, que tem a JBS, destaque da industria alimentícia, como uma das principais empresas do mercado externo. 
O comércio decrescente no Brasil nos últimos anos, tem preocupado a indústria brasileira. Que viu uma possibilidade na primeira viagem do presidente Michel Temer á Europa para defender o avanço de acordo bilateral. 
Visita que também tem pela frente reuniões diplomáticas, consideradas por especialistas como uma das mais importantes na gestão do peemedebista.A passagem pela Rússia com parada na Noruega no primeiro dos cinco dias de viagem do presidente, começou com gafe diplomática antes do embarque. Agenda do Presidente da República anunciada no site do Palácio do Planalto - chamou a Federação da Rússia de República Socialista Federativa Soviética da Rússia. Corrigida após 20 minutos.
Já em Moscou, soou como desprestígio o desembarque do presidente brasileiro na Federação da Rússia. Mesmo sendo recepcionado com t…